Referências bibliográficas sobre jogo e educação

Referências Bibliográficas
sobre Jogo e Educação


Seleção: profa. Tânia Ramos Fortuna

  1. ABERASTURY, A. A criança e seus jogos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.
  2. ABRAMOVICH, F. O estranho mundo que se mostra às crianças. São Paulo: Summus, 1983.
  3. ABRÃO, J. L. F. A história da psicanálise de crianças no Brasil. São Paulo: Escuta, 2001.
  4. ADAMS, Margaret (ed.). Collectible dolls and accessories of twenties and thirties from Sears, Roebuck and Co. Catalogs. Mineola, N.Y.: Dover Publications, Inc., 1986.
  5. ADELSIN. Barangandão arco-íris: 36 brinquedos inventados por meninos. Belo Horizonte: Adelsin, 1997.
  6. AFFONSO, R. M. L. Ludodiagnóstico. São Paulo: Plêiade, 1995.
  7. AGUIAR, J. S. Jogos para o ensino de conceitos: leitura e escrita na pré-escola. Campinas: Papirus, 1998.
  8. AJURIAGUERRA, J. e MARCELLI, D. Psicopatologia do jogo. In: —. Manual de psicopatologia infantil. Porto Alegre: Artes Médicas; São Paulo: Masson, 1986.p. 169-76.
  9. ALBERTI, Leon Battista. Matemática lúdica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.
  10. ALBUQUERQUE, Irene de. Jogos e recreações matemáticas. Rio de Janeiro: Conquista, 1954. : v. 2 – 3 a., 4 a. e 5 a. séries.
  11. ALENCAR, E. S. Como desenvolver o potencial criativo: um guia para a liberação da criatividade em sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1990
  12. ALENCAR, E. S. A gerência da criatividade: abrindo janelas para a criatividade pessoal e nas organizações. São Paulo: Markron Books, 1996.
  13. ALMEIDA, M. T. P. Jogos divertidos e brinquedos criativos. Petrópolis: Vozes, 2004.
  14. ALMEIDA, P. N. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1994.
  15. ALMEIDA, Paulo Nunes. A explosão recreativa dos jogos. São Paulo: Editora Estrutura Ltda., 1977.
  16. ALMEIDA, E. Arte lúdica. São Paulo: Edusp, 1997.
  17. ALLUÉ, J. M. O grande livro dos jogos. Belo Horizonte: Leitura, 1998.
  18. ALTMAN, R. Z. Brincando na história. In: DEL PRIORE, M. (org.) História das crianças no Brasil. 4.ed. São Paulo: Contexto, 2004. p. 231-258
  19. ALVES, E. M. S. A ludicidade e o ensino de matemática. Campinas: Papirus, 2001.
  20. ALVES, Lynn. Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura, 2005.
  21. ALVES, P. B. e outros. Brinquedo e atividades cotidianas de crianças em situação de rua: um estudo observacional em Porto Alegre. In: SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 9, FEIRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 6, 1997, Porto Alegre. Livro de resumos.  Porto Alegre: UFRGS, 1997. P. 345.
  22. AMMANN, R. A terapia do jogo de areia. Sã Paulo: Paulus, 2002.
  23. AMADO, J. S. e HASSE, M. Jogos e brinquedos tradicionais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – Instituto de Apoio a Criança, 1992.
  24. ANDRADE, S. G. Teoria e prática de dinâmica de grupo: jogos e exercícios. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.
  25. ANDREA, I. e ALVES, L. Brinquedos: criatividade, pedagogia e ambiente. Lisboa: ed. dos autores, 2001.
  26. ANJOS, C.; MOREIRA, J. A. e SOLANO, J. O brinquedo em Portugal. Porto : Civilização, 1997.
  27. ANTUNES, C. Manual de técnicas de dinâmica de grupo, sensibilização e ludopedagogia. Petrópolis: Vozes, [s. data]
  28. ANTUNES, C. Jogos para a estimulação das inteligências múltiplas. Petrópolis: Vozes, 1999.
  29. ANZIEU, A.; PREMMEREUR, C. A. ; DAYMAS, S. El juego en psicoterapia del niño. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 2001.
  30. ARAÚJO, V. C. O jogo no contexto da educação psicomotora. São Paulo: Cortez, 1992.
  31. ARIÉS, P. Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras. In: —. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.
  32. ARNOLD, P. (ed.) The complete book of indoor: games. 3. ed. Czechoslovakia: Hamlyn, 1983.
  33. ARON, A. M. e MILICIC, N. Viver com os outros: programa de desenvolvimento de habilidades sociais. Campinas: Editorial Psy, 1994.
  34. ARTS, N. Enciclopedia de los juegos de mesa: una completa colección de todos los juegos de tablero y mesa con explicaciones, normas, trucos y consejos. Barcelona: Ediciones Robinbook, 2000.
  35. ATZINGEN, M. C. V. História do brinquedo: para as crianças conhecerem e os adultos lembrarem. São Paulo: Alegre, 2001.
  36. AUFRAUVRE, M. R. Aprender a brincar, aprender a viver: jogos e brinquedos para a criança deficiente, opção pedagógica e terapêutica. São Paulo: Manole, 1987. [376 A918A=P]
  37. AXLINE, V. M. Ludoterapia: a dinâmica interior da criança. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.
  38. AZEVEDO, Antonia Cristina Peluso de. Brinquedoteca no diagnóstico e intervenção em dificuldades escolares. Campinas: Editora Alínea, 2004.
  39. BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
  40. BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
  41. BALLY, Gustav. El juego como expresion de la libertad. México: Fondo de Cultura Economica, 1986.
  42. BANDET, J. e SARAZANAS, R. A criança e os brinquedos. Lisboa: Editorial Estampa, 1973. (Col. Técnicas de Educação, 3) [688.7   B214c]
  43. BARBOSA, L. Trabalho e dinâmica dos pequenos grupos. 2. Ed. Porto: Afrontamento, 1998.
  44. BARROS, M. L. C. Como fazer brinquedos. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1979.
  45. BAVA, L. Cuando jugar enferma: um camino de tratamiento terapéutico del jugar compulsivo. Buenos Aires: Ediciones Lumiere, 2004.
  46. BEAUCHAMP, A.   et al. Como animar um grupo. São Paulo: Loyola, 1980.
  47. BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. 4. ed. São Paulo: Summus, 1984. ou Editora 34/Duas Cidades, 2002.
  48. BERKENBROCK, V. I. Jogos e diversões em grupo: para encontros, festas de família, reuniões, salas de aula e outras ocasiões. Petrópolis: Vozes, 2002.
  49. BETTELHEIM, B. Uma vida para seu filho: pais bons o bastante. Rio de Janeiro: Campus, 1988.
  50. BIEDERMANN, G. (dir.) Tratado de psicoterapia infantil. Barcelona: Espaxs, 1973. V. 1
  51. BOMTEMPO, E. (coord). Psicologia do brinquedo: aspectos teóricos e metodológicos. São Paulo: EDUSP, Nova Stella, 1986. (Coleção Logos)
  52. BOMTEMPO, E. Brinquedoteca: o espaço da criança. Idéias, São Paulo, 7: 68-72, 1990.
  53. BOMTEMPO, E. Brinquedos: critérios de classificação e análise. Cadernos EDM, São Paulo, 2(2), jun. 1990. (FEUSP)
  54. BONAMIGO, E. M. R. e KUDE, V. M. M. Brincar: brincadeira ou coisa séria? Porto Alegre: Educação e Realidade, 1991.
  55. BONAMIGO, E. M. R. e KUDE, V. M. M. Ludoteca: por que não se pensou nisto antes? Revista do Professor, Porto Alegre, :5-9, jul./set.1990.
  56. BONAMIGO E. M. R. e EIZIRIK, M. F. A importância do brincar para a educação: por uma psicologia social da infância. Porto Alegre: UFRGS, Faculdade de Educação, 1990. Relatório de Pesquisa.
  57. BRANDÃO, H. e FROESELER, M. G. O livro dos jogos e das brincadeiras para todas as idades. Belo Horizonte: Leitura, 1997.
  58. BRANDÃO DA LUZ, J. H. A imaginação e a criatividade na teoria piagetiana do desenvolvimento da inteligência. Educação e Realidade. Porto Alegre, 19 (1): 61-70, jan./jun. 1994.
  59. BRANDES, D. e PHILLIPS, H. Manual de jogos educativos: 140 jogos para professores e animadores de grupos. Lisboa: Moraes, s. d.
  60. BRENELLI, R. P. O jogo como espaço para pensar: a construção de noções lógicas e aritméticas. Campinas: Papirus, 1996.
  61. BRIGIDANO, Dorotea Agudo e outros. Juegos de todas las culturas: juegos, danzas, música desde una perspectiva intercultural. Barcelona: Inde, 2002.
  62. BROICH, J. Jogos para crianças: mais de cem brincadeiras com movimento, tensão e ação. São Paulo: Loyola, 1996.
  63. BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. Santos: Projeto Cooperação, 1998.
  64. BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Santos: Projeto Cooperação, 2001.
  65. BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez Editora, 1994 (Questões da nossa época, 43)
  66. BROUGÈRE, G. Jogo e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
  67. BROUGÈRE, G. Brinquedos e companhia. São Paulo: Cortez Editora, 2004.
  68. BROWN, G. Jogos cooperativos: teoria e prática. São Leopoldo: Sinodal, 1994.
  69. BRUNER, J.; JOLLY, A.; SYLVA, K. (ed.) Play: its role in development and evolution. Harmondsworh, Middlesex, England: Peguin Books, 1976.
  70. BUJES, M. I. Criança e brinquedo: feitos um para o outro? In: COSTA, M. V. (org.) Estudos culturais em educação. Porto Alegre : Editora da Universidade/UFRGS, 2000.P. 205-228.
  71. BULFINCH, T. O livro de ouro da mitologia: histórias de deuses e heróis. 3. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.
  72. BUSATTO, Cléo. Contar e encantar: pequenos segredos da narrativa. Petrópolis: Vozes, 2003.
  73. CABRAL, A. Jogos populares portugueses de jovens e adultos. 3. Ed. Lisboa: Editorial Notícias, 1998.
  74. CABRAL, A. O jogo no ensino. Lisboa: Editoria Notícias, 2001.
  75. CADERNOS DA ACTIVIDADE LÚDICA. Cultura lúdica, tradição e modernidade. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, n.1, jan. 1998.
  76. CADERNOS DA ACTIVIDADE LÚDICA. Contextos lúdicos e crianças com necessidades especiais. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, n.2, jun. 1999.
  77. CAILLOIS, Roger. O mito e o homem. Lisboa: Edições 70, [s.d.] (Perspectivas do homem) (ed. orig. 1937)
  78. CAILLOIS, Roger. O homem e o sagrado. Lisboa: Edições 70, [s.d.] (Perspectivas do homem) (ed. orig. 1950)
  79. CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens. Lisboa: Cotovia, 1990. (Ensaios) (ed. orig. 1958, ed. ver. e aum. 1967)
  80. CAILLOIS, Roger. Acercamientos a lo imaginário. Santafé de Bogotá: Fondo de Cultura Econômica, 1997. © 1974
  81. CÂMARA CASCUDO, Luís da. Dicionário do folclore brasileiro. 9. Ed. São Paulo: Ediouro, s.d.
  82. CAMARGO, L. O. L. Educação para o lazer. São Paulo: Moderna, 1998.
  83. CAMPAGNE, F. Le jouet, l’enfant, l’éducateur: rôles de l’objet dans le dévelopment de l’enfant et le travail pédagogique. Paris: Privat, 1989.
  84. CAMPOS, M. C. R. O possível e o necessário como eixo da construção do real vistos na situação de um jogo. Psicopedagogia, São Paulo, 12 ( 26 ): 16-20, set. 1993.
  85. CARNEIRO, M. A. B. O jogo e suas diferentes concepções. Psicopedagogia, São Paulo, 14(33), 1995.
  86. CARSE, James P. Jogos finitos e infinitos: a vida como jogo e possibilidade. Rio de Janeiro: Nova Era, 2003.
  87. CARVALHO, A. M. e outros (org.) Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. v. 1 O Brasil que brinca; v. 2 Brincadeiras de todos os tempos.
  88. CARVALHO, Alysson e outros (organizadores). Brincar(es). Belo Horizonte: Editora UFMG, Pró-Reitoria de Extensão UFMG, 2005.
  89. CARVALHO, M. I. C. e RUBIANO, M. B. Organização do espaço em Instituições pré-escolares. In: MORAES, Z. (org.) Educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, 1994.
  90. CAVALLARI, V. R. e ZACHARIAS, V. Trabalhando com recreação. 3. Ed. São Paulo: Ícone, 1998.
  91. CÉLIA, R. Brincar, descobrir, aprender, criar. In: SUKIENNIK, P. B. (org.) O aluno problema: transtornos mentais de crianças e adolescentes. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1996.
  92. CHADWICK, M. e TARKY, I. Juegos de razonamiento lógico. Santiago do Chile: Editorial Andrés Bello, 1990
  93. CHATEAU, J. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.
  94. CHRISTOPHER, Catherine. The complete book of doll making and collecting. 2. ed. Rev. New York, Dover Publications Inc., 1971.
  95. CLAVER, B. Escrever com prazer: oficina de produção de textos. Belo Horizonte: Dimensão, 1999.
  96. COELHO, B. Contar histórias: uma arte sem idade. São Paulo: Ática, 2003.
  97. COHEN, D. e MACKEITH, S. A. El desarollo de la imaginación: los mundos privados de la infancia. Barcelona: Paidós, 1993.
  98. COME giocavamo: giochi e giocattoli 1750/1960. Milano: Alinari, 1984.
  99. CONDEMARÍN, M. e MILICIC, N. Cada dia um jogo. Campinas: Editorial Psy, 1993.
  100. CONTI, L. O brinquedo em casa e na escola: a bi-direcionalidade da transmissão cultural. Porto Alegre: Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento – Instituto de Psicologia – UFRGS, 1996. Dissertação de Mestrado.
  101. CORNELL, J. Brincar e aprender com a natureza: guia de atividades para pais e monitores. São Paulo: Melhoramentos; SENAC, 1996.
  102. COSTA, I. A. e BAGANHA, F. O fantoche que ajuda a crescer. Rio Tinto/Portugal: Edições Asa, 1989. (Colecção Práticas Pedagógicas)
  103. COSTA, A. e SILVA, R. P. (coord.) Ludicidade: o resgate da cidadania através do lúdico. São Paulo: Nestlé, UNESCO, 2001.
  104. CSIKSZENTMIHALYI, M. Fluir (flow): uma psicología de lá felicidad. Barcelona: Editorial Kairós, 1997.
  105. CURTISS, S. A alegria do movimento na pré-escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.
  106. CUNHA, N, H. S. Brinquedo, desafio e descoberta: subsídios para utilização e confecção de brinquedos. Rio de Janeiro: FAE, 1994.
  107. CUNHA, N. H. S. Brinquedoteca: um mergulho no brincar. 3. Ed. São Paulo: Vetor, 2001.
  108. DARBYSHIRE, L. (ed.) The collector’s encyclopedia of toy’s and dolls. London: Grange Books, 1990.
  109. DAUDT, P.; SPERB, T. M.; GOMES, W. B. As concepções das crianças sobre o brincar. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, 5(2):91-98, 1992.
  110. DE MASI, D. (org.) A emoção e a regra: os grupos criativos na Europa de 1850 a 1950. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.
  111. DE MASI, D. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.
  112. DE MASI, D. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
  113. DEACOVE, J. Manual de jogos cooperativos: joguem uns com os outros e não um contra os outros. Santos: Projeto Cooperação, 2002.
  114. DESCOMPS, D. Jouets de toujours: far lo boissonièr. Aurillac (France) : Ostal del libre, 1997.
  115. DINELLO, Raimundo. El juego : ludotecas. 4. ed. Montevidéu, 2003.
  116. DINELLO, Raimundo. Os jogos e as ludotecas. Santa Maria : OMEP/BR/RS/SM ; Pallotti, 2004. (Cadernos Temáticos, 3)
  117. DOHME, V. D. 32 idéias divertidas que auxiliam o aprendizado para o ensino fundamental. São Paulo: Informal, 1998.
  118. DOHME, V. D. Técnicas de contar histórias. São Paulo: Editora Informal, 2001.
  119. DOHME, V. D. Atividades lúdicas na educação: o caminho de tijolos amarelos do aprendizado. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2002. (diss. Mestrado)
  120. DOHME, V. D. e DOHME, W. Ensinando a criança a amar a natureza. São Paulo: Editora Informal, 2002.
  121. DORION-COUPAL, K. Uma brinquedoteca para você. Montréal: CIDE-OMEP, 1996. (v. 1 – Para poder brincar: a comunidade; v.2 – É hora de brincar!; v. 3 – Brincar sem gastar muito.)
  122. DUFLO, C. O jogo de Pascal a Schiller. Porto Alegre: Artmed, 1999.
  123. DUVIGNAUD, Jean. El juego del juego. 2. ed. Santafé de Bogotá: Fondo de Cultura Econômica, 1997. © 1980
  124. DURAND, Gilbert. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. 3. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 2004.
  125. EATON, F. O grande livro das casas de bonecas. Barcelos: Civilização, 1995.
  126. ECO, Umberto. Huizinga e o jogo. In: ECO, Umberto . Sobre os espelhos e outros ensaios. São Paulo: Nova Fronteira, 1989. p. 269-285 [ed. Orig. 1985]
  127. EFRON, A. M. e outros. A hora do jogo diagnóstica. In: OCAMPO, M. L. S. e outros. O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. São Paulo: Martins Fontes, 1986.
  128. ELKIND, D. Corrompendo o modo de brincar das crianças. Pátio, Porto Alegre, v. 8, n. 31, ago./out. 2004.
  129. ELKONIN, Daniil. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
  130. ERIKSON, E. Brinquedo e razões. In: —. Infância e sociedade. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
  131. ESPADA, José Pedro. Técnicas de grupo: recursos práticos para a educação. Petrópolis: Vozes, 2005.
  132. FAURE, G. e LASCAR, S. O jogo dramático na escola primária. Lisboa: Editorial Estampa, 1982. (Temas Pedagógicos)
  133. FEDRIZZI, B. Paisagismo no pátio escolar. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1999.
  134. FEIX, Eneida. Lazer e cidade na Porto Alegre do início do século XX: a institucionalização da recreação pública. Porto Alegre, UFRGS, 2003. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.
  135. FERLAND, Francine. O modelo lúdico: o brincar, a criança com deficiência física e a terapia ocupacional. 3. ed. São Paulo: Roca, 2006.
  136. FERNANDES, F. O folclore em questão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. (1 . edição 1977)
  137. FERNANDEZ, A. A hora do jogo psicopedagógico: espaço para jogar, espaço para aprender. In:—. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990. p. 165-77.
  138. FERNANDEZ, A. Psicopedagogia em psicodrama: morando no brincar. Petrópolis: Vozes, 2001.
  139. FERRAN, P. e outros. Na escola do jogo. Lisboa: Editorial Estampa, 1979. (Colecção Técnicas de Educação)
  140. FINK, Eugen. Le jeu comme symbole du monde. Paris : Éditions de Minuit, 1966.
  141. FIORINI, Héctor Juan. El psiquismo creador. Buenos Aires: Paidós, 1995.
  142. FORTUNA, T. R. Psicomotricidade: destaque para o papel fundamental dos jogos. Revista do Professor. Porto Alegre, v. 10, n. 39, p. 5-10, jul./set. 1994.
  143. . FORTUNA, T. R.Vamos nos conhecer? Procedimentos favorecem a integração dos componentes de um grupo. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 14, n. 53, p. 45-46, jan./mar.1998.
  144. FORTUNA, T. R. Conhecendo o grupo: jogos ajudam a estabelecer a interação na sala de aula. Revista do Professor. Porto Alegre, v. 15, n. 57, p. 46-48, jan. / mar. 1999.
  145. FORTUNA, T. R.. Sala de aula é lugar de brincar?In: XAVIER, M.L.F. e DALLA ZEN, M.I.H. Planejamento em destaque: análises menos convencionais. Porto Alegre: Mediação, 2000 (Cadernos de Educação Básica, 6) P.147-164.
  146. FORTUNA, T. R.. O jogo e a educação: uma experiência na formação do educador. IN: SANTOS, S. M. P. (org.) Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. Petrópolis: Vozes, 2000. P. 73-85.
  147. FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar. In: ÁVILA, I. S. (org.) Escola e sala de aula: mitos e ritos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. p. 47-59. [publicado anteriormente como FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar. Espaço pedagógico. Passo Fundo, 8 (2): 63-71, dez. 2001. e também como FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar.In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ARTE E EDUCAÇÃO, 15., 2001, Montenegro. Anais...Montenegro: FUNDARTE, 2001. p. 38-46.]
  148. FORTUNA, T. R. Formando professores na universidade para brincar. In: SANTOS, S. M. P. (org.) A ludicidade como ciência. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 115-119
  149. FORTUNA, T. R. Ensinando a montar – e manter – brinquedotecas: a experiência em assessoria universitária à criação de espaços lúdicos. Resumos da 9 a. Conferência Internacional de Ludotecas: Brincar é crescer. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Instituto de Apoio à Criança, 14 a 17 de maio de 2002. p. 115.
  150. FORTUNA, T. R. Papel do brincar: aspectos relevantes a considerar no trabalho lúdico. Revista do Professor, Porto Alegre, n. 18, v. 71, p. 9-14, jul./set. 2002.
  151. FORTUNA, T. R. Who wants to play in the university? XV Conferência Mundial da IPA (International Association for Child’s right to play): A cultura e o brincar nos espaços urbanos. São Paulo: IPA/Brasil, 04 a 08 de novembro de 2002. p. 46-47
  152. FORTUNA, T. R. Jogo em aula: recurso permite repensar as relações de ensino-aprendizagem. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 19, n. 75, p. 15-19, jul./set. 2003.
  153. FORTUNA, T. R. O brincar na educação infantil. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, v.1, n. 3, p.6-9, dez. 2003/mar. 2004.
  154. FORTUNA, T. R. Brincar, viver e aprender: educação e ludicidade no hospital. Ciências e Letras: Revista da Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras. Porto Alegre, n. 35, p. 185-201, jan./jun. 2004.
  155. FORTUNA, T. R. A reinvenção da infância. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, v.2, n. 6, p.18-21, dez. 2004/mar. 2005.
  156. FORTUNA, T. R. Apresentação. In: ANTUNES, H. S. (org.) Trajetória docente: o encontro da teoria com a prática. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Metodologia do Ensino, 2005. p. 11-16.
  157. FORTUNA, T. R. e BITTENCOURT, A. D. S. Jogo e educação: o que pensam os educadores. In: ANTUNES, H. S. (org.) Trajetória docente: o encontro da teoria com a prática. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Metodologia do Ensino, 2005. p. 95-105. [também publicado como FORTUNA, T. R. e BITTENCOURT, A. D. S. Jogo e educação: o que pensam os educadores? Revista Psicopedagogia, v. 20, n. 63, p. 234-242, 2003.]
  158. FORTUNA, T. R. e VIEIRA, L. A. Quem quer brincar na universidade? In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 81-91.
  159. FORTUNA, T. R. Ensinando a montar – e manter – brinquedotecas: a experiência de assessoria universitária na criação de espaços lúdicos. In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 93-106.
  160. FORTUNA, T. R. A formação lúdica do educador. In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 107-121.
  161. FORTUNA, T. R. O papel educativo das armas de brinquedo. Pátio Educação Infantil. Porto Alegre, IV, n. 11, p. 12-14, jul./out. 2006.
  162. FORTUNA, Tânia Ramos. Escola é lugar de LAN house? ABC Educatio: a revista da educação. São Paulo, ano 8, n. 63, fev. 2007, p. 25.
  163. FOURNIER, Edouard. Histoire dês jouets et jeux. Paris : E. Dentu Editeur, 1989.
  164. FRANCIA, A. e MARTÍNEZ, O. Jogos e dinâmicas. Apelação (Portugal): Paulus, 2000. (Colecção Educar para valores, 2)
  165. FREIRE, J. B. O jogo: entre o riso e o choro. São Paulo: Editora Autores Associados, 2002.
  166. FREUD, A. Psicanálise de crianças. Rio de Janeiro: Imago, 1971.
  167. FREUD, Anna. Infância normal e patológica: determinantes do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Imago, 1987.
  168. FREUD, S. Escritores criativos e devaneios. Rio de Janeiro: Imago, 1976. (Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 9) p.147-158.
  169. FREUD, S. Além do princípio do prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1976. (Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 18 ) p. 23-9.
  170. FREUD, Sigmund. O estranho. (1919) In: —. Uma neurose infantil e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1976. ( Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 17) p. 275-318.
  171. FREUD, S. O humor (1927). In: —. O futuro de uma ilusão, o mal estar na civilização e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1974. (Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 21). P. 187-194.
  172. FRIEDMANN, A. Dinâmicas criativas: um caminho para a transformação de grupos. Petrópolis: Vozes, 2004.
  173. FRIEDMANN, A. A arte de brincar. Petrópolis: Vozes, 2003.
  174. FRIEDMANN, A. (org.) O direito de brincar. São Paulo: Scritta, 1992.
  175. FRIEDMANN, A. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.
  176. FRITZEN, S. J. Jogos dirigidos para grupos, recreação e aulas de educação física. Petrópolis: Vozes, 1981.
  177. FRITZEN, S. J. Exercícios práticos de dinâmica de grupo. Petrópolis: Vozes, 1981. v. 1 e 2
  178. GALLINO, Tilde Giani. O mundo imaginário das crianças: no princípio era o ursinho. Porto: Civilização, 1996.
  179. GALLINO, Tilde Giani. Il bambino e i suoi doppi: l’ombra e i compagni immaginari nello sviluppo del Sé. Torino: Bollati Boringhieri, 1993.
  180. GARFELLA, P. R. e MARTIN, R. L. El juego como recurso educativo: guía antológica. Valencia: Tirant lo Blanch, 1999.
  181. GILLIG, Jean-Marie. El cuento en pedagogía y en reeducación. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.
  182. GIORGI, M. e SOMALVICO, H. Bambole: conoscerle e collezionarle (i marchi e le valutazioni). Rimini: Idea Libri, 1999.
  183. GODOY, L. Os jogos olímpicos na Grécia Antiga. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 1996.
  184. GOLBERT, C. S. Jogos Athurma 2: matemática nas séries inicias – o sistema decimal de numeração. Porto Alegre: Mediação, 2000.
  185. GOTTFRIED, A. e BROWN, C. C. Play interactions: the contribution of play materials and parental involvement to children’s development. Massachusetts: Lexington Books, 1986. (Proccedings of the eleventh Johnson & Johnson Pediatric Round Table)
  186. GRANATO, M. A. G.; ROTELLI, M. R. T.; BATISTA, E. L.El juego en el proceso de aprendizaje: capacitación y perfeccionamiento docente. Buenos Aires: Editorial Stella; Ediciones La Crujía, 2004.
  187. GREENFIELD, P. M. O desenvolvimento do raciocínio na era da informática: os efeitos da tv, computadores e videogames. São Paulo: Summus, 1988.
  188. GRÜSNPUM, H. Distúrbios da sociabilidade: o jogo. In: —. Distúrbios neuróticos da criança. 4. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1985.p. 296- 8.
  189. GRÜSNPUM, H. Psicoterapia lúdica de grupos com crianças. São Paulo: Atheneu, 1997.
  190. GUERRA, M. Recreação e lazer. 5. ed. Porto Alegre: Sagra DC Luzzatto, 1996.
  191. GUILLARMÉ, J. J. Educação e reeducação psicomotoras . Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.
  192. GUILLEN, E. Manual de jogos. São Paulo: Flamboyant, 1962.
  193. GUTTFREIND, Celso. O terapeuta e o lobo: a utilização do conto na psicoterapia da criança. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
  194. HARTMANN, H. O livro das bonecas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.
  195. HARRIS, Paul. El funcionamiento de la imaginación.Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2005.
  196. HARROP, Jane. Toys and games: dolls house do-it-yourself. Devon , UK : David and Charles Book, 2003.
  197. HENRIOT, Jacques. Le jeu. Paris: Presses Universitaires de France, 1969.
  198. HENRIQUES, A. C. Jogar e compreender: propostas de material pedagógico. Lisboa: Instituto Piaget, s.d.
  199. HEYWOOD, C. Uma história da infância. Porto Alegre: Artmed, 2004.
  200. HIGUCHI, K. K. RPG: o resgate da história e do narrador. In: CITELLI, A.(coord.) Outras linguagens na escola: publicidade, cinema e TV, rádio, jogos, informática. São Paulo: Cortez, 2000. (Col. Aprender e Ensinar com textos, v. 6) p. 175-211.
  201. HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1993.
  202. HOLZMANN, M. E. Jogar é preciso: jogos espontâneo-criativos para famílias e grupos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
  203. HOMO LUDENS. Buenos Aires: Instituto para la Investigación del Juego y la Pedagogia del Juego – Sede Sudamérica; Embajada de Austria en Argentina, v. 1, 1996. Tema do fascículo: El hombre que juega.
  204. HORN, C. I.; HARRES, J. S.; POTHIN, J. (org.) Atividades lúdicas para crianças na faixa etária de 0 a 10 anos: uma proposta com materiais de baixo custo. Lajeado: UNIVATES, 2003.
  205. HUBER, J. Ocupaciones infantiles. Buenos Aires: Editorial Kapeluz, 1963.
  206. INHELDER, B. et al. Das estruturas cognitivas aos procedimentos de descoberta. In: LEITE, L. B. (org.) Piaget e a Escola de Genebra. São Paulo: Cortez, 1987. p. 75-91.
  207. IPA – INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR THE CHILD’S RIGHT TO PLAY. El juego: necesidad, art y derecho: compilación de artículos sobre juego. Buenos Aires: Editorial Bonum, 1996.
  208. ISAACS, Susan. A natureza e a função da fantasia. In: KLEIN, Melanie e outros. Os progressos da psicanálise. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. p. 79-135.
  209. JACQUIN, G. A educação pelo jogo. São Paulo: Flamboyant, 1960.
  210. JALOWITZKI, M. Manual comentado de jogos e técnicas vivenciais. Porto Alegre: Sulina, 1998
  211. JOGOS e brincadeiras para fazer e brincar. São Paulo: Textonovo, Centro de cultura Asiática da UNESCO, 1999.
  212. JONES, G. Brincando de matar monstros: porque as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz-de-conta. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.
  213. COLLOQUE INTERNATIONAL SUR LE JOUET. JOUETS ET OBJETS LUDIQUES. Le champs de la reserche. 1997, Angoulême. Actes… Angoulême: Université Paris-Nord, Centre Universitaire de la Charente, 1997.
  214. KAMII, C. e DEVRIES, R. Jogos em grupo na educação infantil: implicações da teoria de Piaget. São Paulo: Trajetória Cultural, 1991.
  215. KISHIMOTO, T. Jogos tradicionais infantis: o jogo, a criança, a Educação. Petrópolis: Vozes, 1993.
  216. KISHIMOTO, T. O jogo e a Educação Infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.
  217. KISHIMOTO, T. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e Educação. São Paulo: Cortez, 1994.
  218. KISHIMOTO, T. (org.) O brincar e suas teorias. São Paulo Pioneira, 1998.
  219. KLEIN, M. Psicanálise da criança. São Paulo: Mestre Jou, 1981.
  220. KLEIN, M.A psicanálise de hoje: aproximação moderna aos problemas humanos. Rio de Janeiro: Imago, 1970.
  221. KLEIN, M. Personificação do brincar das crianças (1929). In: KLEIN, M. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos – 1921-1945. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Obras completas de Melanie Klein, v. 1) p. 228-239.
  222. KLEIN, M. A técnica psicanalítica através do brincar: sua história e significado. In: —. Inveja e gratidão e outros trabalhos (1946-1963). Rio de Janeiro: Imago, 1991. P. 149-168. (Obras Completas de Melanie Klein, v. 3)
  223. KNAPE, P. Mais do que um jogo: teoria e prática do jogo em psicoterapia. São Paulo : Agora, 1998.
  224. LAFARGUE, P. O direito à preguiça. São Paulo: Claridade, 2003.
  225. LARA, Isabel Cristina Machado de. Jogando com a matemática. Catanduva – SP: Editora Rêspel, 2005.
  226. LEBOVICI, S. e DIATKINE, R. Significado e função do brinquedo na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
  227. LEBOVICI, S. e SOULÉ, M. El conocimiento del niño a través del psicoanálisis. México: Fondo de Cultura Economica, 1986.
  228. LEEMING, J. N Como contruyo yo mismo mis juguetes: 101 juguetes ingeniosos que los niños puedem construirse. Barcelona : José Montesó Editor, 1947.
  229. LEGENDRE, A. Effects of spatial arrangement on child/child and child/ caregivers interactions: na ecological expriment in day care center. Anais da 16. Reunião Anual de Psicologia da Sociedade de Psicologia de Ribeirão Preto, 1986, pp. 131-142.
  230. LEGENDRE, A. Appropriation par les enfants de l’environnement architectural: ses modalités et ses effets sur les activités dans les grandes sections de crèches. Enfance, 3,: 389-395, 1983.
  231. LEGENDRE, A. Transfformation de l’espace d’activités et echanges. Psychologie française, 32 (1/2): 31-43, juin 1987.
  232. LEIF, J. e BRUNELLE, L. O jogo pelo jogo: a atividade lúdica na educação de crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
  233. LEMOS, G. S. e RAVANELLO, J.C. Educação física escolar: do lúdico ao agonístico. Revista do professor, Porto Alegre, 9(35):24-8, jul./set.1993.
  234. LEONTIEV, A. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, L. S. e outros. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988. p. 119-42.
  235. LIMA, E. C. A. S. O jogo e a criança. In: IDÉIAS. A pré-escola e a criança hoje. São Paulo: FDE -Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 1988. N.2, 1988.
  236. LIMA, E. C. A. S. A atividade da criança na idade pré-escolar. In: IDÉIAS. O jogo e a construção do conhecimento na pré-escola. São Paulo: Fundação para o Desenvolvimento da Educação – FDE, 1990.
  237. LINDQUIST, I. A criança no hospital: terapia pelo brinquedo. São Paulo: Scritta, 1993.
  238. LOPES, M. G. Jogos na Educação: criar, fazer, jogar. 2. Ed. rev. São Paulo: Cortez, 1999.
  239. LOPES, N. Brinquedos infantis: características etárias orientam escolha. Revista do professor, Porto Alegre, 9(35):5-9, jul./set.1993.
  240. LOPES, N. Brinquedos e jogos: bases para uma escolha adequada à faixa etária de 0 a 6 anos. Revista do professor, Porto Alegre: 9(34):7-12, abr./jun.1993.
  241. LORENIZINI, M. Brincando a brincadeira com a criança deficiente: novos rumos terapêuticos. Barueri: Manole, 2002.
  242. MAC GREGOR, C. 150 jogos não-competitivos para crianças: todo mundo ganha. São Paulo: Madras, s.d.
  243. MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícoli; PASSOS, Norimar Christe. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.
  244. MACEDO, L. Para uma psicopedagogia construtivista. In: ALENCAR, E. M. S. (org.)Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, 1992. p. 119-140.
  245. MACEDO, L. e outros. Quatro cores,   senha e dominó: oficinas de jogos em uma perspectiva construtivista e psicopedagógica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.
  246. MACEDO, L. Para um discurso das regras na escola ou na psicopedagogia: uma análise construtivista. Cadernos de Pesquisa,   São Paulo, (87): 13-9, nov.1993.
  247. MACEDO, L. e outros. Aprender com jogos e situações-problema. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
  248. MACHADO, M. M. O brinquedo-sucata e a criança. São Paulo: Loyola, 1994.
  249. MACHADO, M. M. A poética do brincar. São Paulo: Loyola, 1998.
  250. MACRUZ, F. M. S. e outros. Jogos de cintura. 4. Ed. Petrópolis: Vozes, 2000.
  251. MALUF, Ângela Cristina Munhoz. Brincadeiras para sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2004.
  252. MALUF, A. M. Brincar : prazer e aprendizado. Petrópolis: Vozes, 2003.
  253. MANSON, M. História do brinquedo e dos jogos: brincar através dos tempos. Lisboa: Editorial Teorema, 2002.
  254. MARCELLINO, N. C. (org.)   Lúdico, educação e educação física. Ijuí: Editora Unijuí, 1999.
  255. MARCELLINO, N. C. Pedagogia da animação. 4. ed. Campinas: Papirus, 2002. (1. ed. 1989)
  256. MARCELLINO, N. C. (org.) Repertório de atividades de recreação e lazer. Campinas: Papirus, 2002. (Coleção Fazer Lazer)
  257. MASETTI, M. Soluções de palhaços: transformações na realidade hospitalar. São Paulo: Palas Athena, 1998.
  258. MARIOTTI, F. R. O jogo e os jogos. Porto Alegre: Alves Editores, [s.d.]
  259. MATURANA, H. e VERDEN-ZÖLLER, G. Amor y juego: fundamentos olvidados de lo humano. Santiago do Chile: Instituto de Terapia Cognitiva, 1993.
  260. MEDRANO, Carlos Alberto. Do silêncio ao brincar: história do presente, da saúde pública, da psicanálise e da infância. São Paulo: Vetor Editora, 2004.
  261. MEIRA, Ana Marta. A cultura do brincar: a infância contemporânea, o brincar e a cultura no espaço da cidade. Porto Alegre: UFRGS, 2004. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.
  262. MELLO, C. O A interação social na brincadeira de faz-de-conta: uma análise da dimensão metacomunicativa. Porto Alegre: UFRGS, 1994. Dissertação (Mestrado) –   Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1994.
  263. MELLO, Vitor Andrade e ALVES JÚNIOR, Edmundo Drummond. Introdução ao lazer. Barueri: Manole, 2003.
  264. MENDES, Cláudio Lúcio. Jogos eletrônicos: diversão, poder e subjetivação. Campinas: Papirus, 2006 (Coleção Fazer/Lazer).
  265. MERKH, D. 101 idéias criativas. Campinas: JUMOC, 1995.
  266. MICHELET, A. Los útiles de la infancia. Barcelona: Herder, 1977.
  267. MILITÃO, R. e A. Jogos, dinâmicas e vivências grupais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.
  268. MIRANDA, D. S. (org.) O parque e a arquitetura: uma proposta lúdica. Campinas: Papirus, 1996.
  269. MIRANDA, H. T.; MENEZES, L. C. (org.) Almanaque de criação pedagógica: a aventura da explicação. Petrópolis: Vozes, 2002.
  270. MIRANDA, N. 210 jogos infantis. Belo Horizonte: Itatiaia, 1992.
  271. MIRANDA, S. 101 atividades recreativas para grupos em viagens de turismo. Campinas: Papirus, 2001.
  272. MIRANDA, S. Escrever é divertido: atividades lúdicas de criação literária. Campinas: Papirus, 1999.
  273. MORENO, Inês. El juego y los juegos. Buenos Aires: Lúmen, 2005.
  274. MORENO, Inês. Todos teremos tiempo: nueva práctica del tiempo libre en el siglo XXI. Buenos Aires: Lúmen, 2005.
  275. MOYLES, Janet e col. A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006.
  276. MOYLES, J. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.
  277. MUNARI, B. Fantasia: invenção, criatividade e imaginação na comunicação visual. 2. ed. Lisboa: Perspectiva, 1987. (Col. Dimensões, 9)
  278. MUSARRA, A. Fabricacion de articulos de cotillon, chascos y fiestas infantiles. Buenos Aires: Editorial Hobby, 1949.
  279. MUSARRA, A. Fabricacion de juguetes de madera. Buenos Aires: Editorial Hobby, 1947.
  280. NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil: simbolismo e jogo. Porto Alegre: Prodil, 1994. v. 1
  281. NEW DIRECTIONS FOR CHILD PLAY. Children’s play. Massachusetts: Jossey-Bass Inc., Publishers, n.9, 1980.
  282. NUNES, Ângela. No tempo e no espaço: brincadeiras de crianças A’uwê-Xavante. In: SILVA, Aracy Lopes; MACEDO, Ana Vera Lopes da Silva; NUNES, Ângela (org.) Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.
  283. OFELE, M. R. Miradas lúdicas. Buenos Aires: Editorial Dunken, 2004.
  284. OLIVEIRA, P. S. O que é brinquedo? São Paulo: Brasiliense, 1984
  285. OLIVEIRA, P. S. (org.) O lúdico na cultura solidária. São Paulo: HUCITEC, 2001. (Coleção Paidéia, 6)
  286. OLIVEIRA, Vera Barros de. O símbolo e o brinquedo. Petrópolis: Vozes, 1994.
  287. OLIVEIRA, Vera Barros de. A brincadeira e o desenho da criança de 0 a 6 anos: uma avaliação psicopedagógica. In: — e BOSSA, Nádia A. ( org. ) Avaliação psicopedagógica da criança de zero a seis anos. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 21-56.
  288. OLIVEIRA, Vera Barros de. (org.) O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis: Vozes, 2000.
  289. OLIVEIRA, Vera Barros de. Jogos de regras e solução de problemas. Petrópolis: Vozes, 2004.
  290. OLIVEIRA, Vera Barros de. Rituais e brincadeiras. Petrópolis: Vozes, 2006.
  291. OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. e KISHIMOTO, T. M. (org.) Formação em contexto: uma estratégia de integração. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002.
  292. OSHO. Criatividade: liberando sua força interior. São Paulo: Cultrix, 1999.
  293. ORTEGA, A. C. O raciocínio da criança no jogo de regras: avaliação e intervenção psicopedagógica. Psicopedagogia , São Paulo: 12 (27): 27-30, dez. 1993.
  294. OUTEIRAL, J. O . A criança normal e o brinquedo: um estudo de Psicologia Evolutiva. In: —. (org.) Clínica Psicanalítica de Crianças e Adolescentes: desenvolvimento, psicopatologia e tratamento. Rio de Janeiro: Revinter, 1998. P. 24-39.
  295. OVÍDIO. As metamorfoses. Rio de Janeiro: Ediouro, 1983 (trad. David Jardim Júnior)
  296. PADILLA, R.; SLAVUTSKY, A.; BURD, P. Jogo: uma paixão. Porto Alegre: Solivros, 1995.
  297. PAÍN, S. Diagnóstico do problema de aprendizagem: hora do jogo. In: —. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
  298. PAIS, N.; SANTOS, L.; VIEGAS, F. (ed.) Contexto lúdicos e crianças com necessidades especiais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – Instituto de Apoio à Criança, 1999. (Cadernos da Atividade Lúdica, 2)
  299. PASSOS, A. Bonecos de Santo Aleixo: as marionetas em Portugal nos séculos XVI a XVIII e a sua influência nos títeres alentejanos. CENDREV-Centro Dramático de Évora: Évora, [1999]
  300. PETOT, J. M. A descoberta da técnica do brincar e suas conseqüências. In: —. Melanie Klein I. São Paulo: Perspectiva, 1991. P. 79-132.
  301. PHILLIPS, F. J. Play. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
  302. PIAGET, J. A formação do símbolo: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
  303. PIAGET, J. O juízo moral na criança. 2. ed. São Paulo: Summus, 1994. (ed. orig. 1932)
  304. PIAGET, J. e INHELDER, B. A função semiótica ou simbólica. In: —. A psicologia da criança. Lisboa: Moraes, 1979.
  305. PIMENTEL, F. e RABELO, V. 268 jogos infantis. Belo Horizonte, Rio de Janeiro: Villa Rica, 1991.
  306. PISANO, J. C. Manual de juegos para jovenes y no tan jovenes. Buenos Aires: Bonum, 1990.
  307. POÇAS, I. M. Jogos estimulam a aprendizagem. Revista do professor, Porto Alegre, 8 (29): 23, jan./mar. 1992.
  308. POÇAS, I. M. Brincando se aprende: o fascínio dos jogos. Revista do professor, Porto Alegre, 9(33):19, jan./mar. 1993.
  309. PORTO, C. L. Brinquedo e brincadeira na brinquedoteca. In: KRAMER, S. e LEITE, M. I. (org.) Infância e produção cultural. Campinas: Papirus, 1998. P. 171-198.
  310. PORTO, M. B. e BORGES, J. D. Brincando com o tempo: um resgate divertido. Porto Alegre: Movimento Tradicionalista Gaúcho, 2003.
  311. PUIG, M. J. e TRILLA, J. A pedagogia do ócio. 2. edição. Porto Alegre: Artmed, 2004.
  312. RAMIREZ, J. L. R.; MARTINEZ, J. M. (coord.) Diversas miradas sobre el juego. México: Editorial Tierra Firme, 2000.
  313. RAMOS, J. R. S. Dinâmicas, brincadeiras e jogos educativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
  314. RAMOS, T. El joc. Revista Infància: Revista de La Associación de Maestros Rosa Sensat, Barcelona, 127: 6-14, jul./ago. 2002
  315. RAMOS, T. El juego. Revista Infància: Revista de La Associación de Maestros Rosa Sensat, Barcelona, 77: 4-10, enero/feb. 2003.
  316. RECASENS, M. Como jogar com a linguagem. Lisboa: Plátano, s. d.
  317. REDIN, E. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca! Porto Alegre: Mediação, 1998. (Cadernos de Educação Infantil, v. 6)
  318. RETSCHITZKI, J. et al. Étude cognitive et genétique des styles de jeu et des stratégies des jouers d’awélé. Archives de Psychologie, Genéve, (54): 307-340, 1986.
  319. RIBEIRO, M. M. Saber brincar. Belo Horizonte: Dimensão, 1997.
  320. RICE, Chris e Melanie. As crianças na história: modos de vida em diferentes épocas e lugares. 2. Ed. São Paulo: Ática, 1999.
  321. RIGOL, P. N. El ocio y las edades: estilo de vida y oferta lúdica. Barcelona: Hacer, 1993.
  322. RIZZO, G. Jogos inteligentes: a construção do raciocínio na escola natural. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1996.
  323. ROCKWELL, R.; WILLIAMS, R.; SHERWOOD, E. Todos têm um corpo: ciências da cabeça aos pés. Lisboa: Instituto Piaget, s. d.
  324. RODARI, G. Gramática da fantasia. São Paulo: Summus, 1982.
  325. RODRIGUES, R. P. (org.) Brincalhão: uma brinquedoteca itinerante. Petrópolis: Vozes, 2000.
  326. RODULFO, R. O brincar e o significante: um estudo psicanalítico sobre a constituição precoce. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
  327. ROLIM, L. C. Educação e lazer. São Paulo: Ática, 1989.
  328. ROSAMILHA, N. Psicologia do jogo e aprendizagem infantil. São Paulo: Pioneira, 1979.
  329. ROZA, E. S. E agora eu era o herói: o brincar na teoria psicanalítica. In: ROZA, E. S e REIS, E. S. Da análise da infância ao infantil na análise. Rio de Janeiro: Contracapa Livraria, 1997.
  330. ROZA, E. S. Um desafio às regras do jogo: o brincar como proposta de redefinição do tratamento da criança hospitalizada. In: ROZA, E. S e REIS, E. S. Da análise da infância ao infantil na análise. Rio de Janeiro: Contracapa Livraria, 1997.
  331. ROZA, E. S. Quando brincar é dizer: a experiência psicanalítica na infância. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 1999.
  332. RUBIANO, M. R. B. Suportes ambientais e organização social de crianças em creche. 1990. Tese (Doutorado em Ciências – Psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  333. RUBINSTEIN, E. Utilização do jogo e da brincadeira em psicopedagogia: uma abordagem clínica . Psicopedagogia, São Paulo, 10 (21): 15-19, jan./jul. 1991.
  334. RUÍZ, Jorge Fernando. Teoria de juegos: su aplicación en la economía. México: El Colegio de México, 2002.
  335. KUSHKOFF, D. Um jogo chamado futuro: como a cultura dos garotos pode nos ensinar a sobreviver na era do caos. Rio de Janeiro: Revan, 1999.
  336. RUSSEL. B. O elogio ao ócio. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.
  337. SÁ, E. Psicologia dos pais e do brincar. 2. Ed. Lisboa: Fim de Século, 1995.
  338. SÁ, Neusa Maria Carlan. O lúdico na ciranda da vida adulta. Porto Alegre, UNISINOS, 2005. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale dos Sinos, 2005.
  339. SALIS, V. D. Ócio criador, trabalho e saúde. São Paulo: Editora Claridade, 2004.
  340. SALUM E MORAES, Maria de Lima e CARVALHO, Ana Maria. Brincar: uma revisão de algumas concepções clássicas. Boletim de Psicologia, 37(86):1-23, 1987.
  341. SANTA ROSA, N. S. Brinquedos e brincadeiras. São Paulo: Moderna, 2001. (Coleção Artes e Raízes)
  342. SANTIN, S. Educação física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento. 3 a. ed. rev.e ampl. Porto Alegre: EST Edições, 2001.
  343. SANTIN, S. Temas malditos. Porto Alegre: EST Edições, 2002.
  344. SANTOS, Elder Cerqueira. Um estudo sobre a brincadeira entre crianças em situação de rua. Porto Alegre: UFRGS, 2004. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.
  345. SANTOS, V. L. B. Brincadeira e conhecimento: do faz-de-conta à representação teatral. Porto Alegre: Mediação, 2002. (Coleção Educação e Arte, 1)
  346. SANTOS, S. M. P. (org.) O lúdico na formação do educador. Petrópolis: Vozes, 1997.
  347. SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis: Vozes, 1997.
  348. SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca: sucata vira brinquedo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
  349. SANTOS, S. M. P. Brinquedo e infância: um guia para pais e educadores em creches. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
  350. SANTOS, A. Aspectos psicopedagógicos da atividade lúdica. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, 1991. (Cadernos IAC, 3)
  351. SANTOS, L.; JORGE, A.; ANTUNES, I. (ed.) Comentários à carta da criança hospitalizada. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, 2000.
  352. SARLÉ, P. M. Juego y aprendizaje escolar : los rasgos del juego en la educación infantil. Buenos Aires: Ediciones Novedades Educativas, 2001.
  353. SCHEINES, G. Juegos inocentes, juegos terribles. Buenos Aires: Editorial Universitária de Buenos Aires, 1998.
  354. SCHILLER, P. e ROSSANO, J. 100 coisas maravilhosas para manter as crianças ocupadas e diverti-las. São Paulo: Paulus, 1997.
  355. SCHWARTZMAN, G. M. Dinâmica lúdica: novos olhares. Barueri: Manole, 2004.
  356. SCHWARTZMAN, Helen B. Transformations: the antropology of children’s play. New York, Plenum, 1978.
  357. SHERIDAN, M. D. Brincadeiras espontâneas na primeira infância: do nascimento aos seis anos. São Paulo: Manole, 1990.
  358. SILVA, D. N. H. Como brincam as crianças surdas. São Paulo: Plexus Editora, 2002.
  359. SILVA, M. A.; GARCIA, M. A. L; FERRARI, S. M. Memória e brincadeiras na cidade de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. São Paulo: Cortez; CENPEC, 1989.
  360. SIMPÓSIO RPG E EDUCAÇÃO,1., 2002, São Paulo. Anais. São Paulo: Ludus Culturallis; Devir Livraria, 2002.
  361. SINKER, M. e outros. Children’s concept of play. Sweden : WRP International (Women Researchers in Play and Disability), 1993
  362. SLADE, P. O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus, 1978.
  363. SPERO, James (ed.). Collectible toys and games of Twenties and Thirties from Sears, Roebuck and Co. Catalogs. Mineola , N.Y. : Dover Publications, Inc., 1988.
  364. SOLÉ, Maria de Borja i Solé. El juego infantil (organización de las ludotecas) . Barcelona: Oikos-tau, 1980.
  365. SOLÉ, Maria de Borja i Solé. El joc, eina pedagógica a Catalunya. 2. ed. Barcelona: Colleció Nadal, [s. d]
  366. SOLÉ, Maria de Borja i Solé. Les ludoteques: joguines i societat. Barcelona: Rosa Sensat, 1982. (Estudis, 62).
  367. SOUZA, R. P. (coord.) Brinquedos. In: —. Nossos filhos: a eterna preocupação. Porto Alegre: Globo, 1978.
  368. STAREPRAVO, Ana Ruth. Jogos para ensinar e aprender matemática. Curitiba: Coração Brasil Editora, 2006.
  369. STEINBERG, S. e KINCHELOE, J. (org.) Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
  370. STEVENS, J. Tornar-se presente: experimentos de crescimento em gestalt- terapia. São Paulo: Summus, 1977.
  371. STOPPA, E. A. Acampamento de férias. Campinas: Papirus, 1999.
  372. SPODEK, B. e SARACHO, O. N. A aprendizagem por meio da brincadeira. Ensinando crianças de três a oito anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. P. 209-229.
  373. SUTTON-SMITH, Brian. The ambiguity of play. Cambridge: Harvard University Press, 1997.
  374. TANDÉN Didáctica de la Educación Física. Barcelona: Editorial Graó, v.10, enero-marzo 2003. Tema do fascículo: El placer de jugar, el placer de educar.
  375. TAVARES, R. M. M. Brinquedos e brincadeiras: patrimônio cultural da humanidade. Campinas: Pontes, UNESCO, 2004.
  376. TERR, L. El juego: por qué los adultos necesitan jugar. Barcelona: Paidós, 2000.
  377. TOCA, Manuel Gutiérrez. Juegos ecológicos con piedras y palos. Barcelona: Inde, 2004.
  378. TOSA, M. Effetto bambola: storia, técnica, collezionismo. 2. ed. Milano: Idealibri, 1992.
  379. TOSA, M. Bambole: la collezioni. Milano: Frabri Rizzoli Grande Opera, 1993.
  380. TOSA, Marco. Barbie: i mille volti di um mito. Milano: Mondatori, 1997.
  381. TRILLA, Jaume. A pedagogía da felicidade: superando a escola entediante. Porto Alegre: Artmed, 2006.
  382. UNESCO. El niño y el juego: planteamientos teóricos y aplicaciones pedagógicas. Paris, 1980. (Estudios y documentos de educación, 34 )
  383. VALLARDI, A. Guide Miller di antiquariato: Bambole. Hong Kong: Garzanti Editore, 1993.
  384. VANNI, Carlos Felício e MARCHEZI, Suely R. Psicogênese das regras do jogo. Estudos cognitivos, Araraquara, UNESP – FFCL, Araraquara, 1 (2) dez. 1976.
  385. VALEROS, J. El jugar del analista. Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica, 1997. (Colección de Psicologia)
  386. VASCONCELLOS, V. M. R. Casinha de boneca: espaço coletivo como ambiente de desenvolvimento infantil. P. 221-228 [s.d.t.]
  387. VASCONCELOS, Paulo A. C. O jogo e Piaget.  São Paulo : Editora Didática Suplegraf, 2003.
  388. VENÂNCIO, Silvana e FREIRE, João Batista (org.). O jogo dentro e fora da escola. Campinas : Autores Associados, 2005.
  389. VIAL, J. Jeu et éducation: les ludothèques. Paris: Presses Universitaires de France, 1981.
  390. VICTORIA, L. A. Dicionário básico de mitologia: Grécia, Roma, Egito. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.
  391. VIEIRA, A. G. O brinquedo simbólico como narrativa. Porto Alegre: Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento – Instituto de Psicologia – UFRGS, 1997.
  392. VILA, L. Ecojuegos: actividades recreativas y educativas con la ecología. Buenos Aires: Bonum, 2001.
  393. VILLA, G. e MÜLLER, M. Manual de juegos: para los más pequeños (de 6 meses a 6 anos). Buenos Aires: Bonum, 1986.
  394. VITELLESCHI, S. G. Aprender jugando desde las actitudes sociales. Buenos Aires: Bonum, 1993.
  395. VITELLESCHI, S. G. Aprender jugando con la naturaleza. Buenos Aires: Bonum, 2001.
  396. VON FRANZ, Marie-Louise. A sombra e o mal nos contos de fadas. São Paulo: Paulus, 1985.
  397. VILLA, Roberto Secades e CANAL, Ana Villa. El juego patológico: prevención, evaluación y tratamiento en la adolescencia. Madrid: Pirámide, 1998.
  398. VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: —. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. p. 105-118
  399. WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 1995. (Coleção Questões da Nossa Época, v.48)
  400. WAICHMAN, P. Tempo livre e recreação. São Paulo: Papirus, 1997.
  401. WASSERMANN, S. Brincadeiras sérias na escola primária. Lisboa: Instituto Piaget, s.d.
  402. WIERTSEMA, H. Cem jogos de movimento. Porto: Edições Asa, 1999. (coleção Práticas Pedagógicas)
  403. WILLIANS, A. Temas proibidos: ações estratégicas para grupos. São Paulo: Agora, 1998.
  404. WINNICOTT, D. W. A criança e o seu mundo. 6. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
  405. WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
  406. YOZO, R. Y. 100 jogos para grupos. São Paulo: Ágora, 1996.
  407. ZASLAVSKY, C. Jogos e atividades matemáticas do mundo inteiro: diversão multicultural para idades de 8 a 12 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Este post foi publicado a quinta-feira, março 6th, 2008 no 18:17 e categorizado em Sem categoria. Pode seguir os comentários deste post através do seu feed RSS 2.0. Pode comentar, ou fazer um trackback do seu próprio site.

38 Respostas

  1. Gaye Shelvy Diz:

    Great advice, see you then. Can’t wait to see what you write about. Go for it!

    dezembro 23rd, 2010
  2. Annamarie Beckman Diz:

    This domain seems to recieve a good ammount of visitors. How do you advertise it? It offers a nice unique spin on things. I guess having something authentic or substantial to talk about is the most important factor.

    junho 21st, 2011
  3. Divina Miler Diz:

    Hello. excellent job. I did not anticipate this. This is a excellent story. Thanks!

    junho 22nd, 2011
  4. creme cellulite Diz:

    I was examining some of your content on this site and I think this site is very informative! Continue posting.

    junho 23rd, 2011
  5. Salute Montclair Diz:

    Thats a great post here, I’m happy I got to this website, thanks.

    junho 23rd, 2011
  6. bread machine reviews Diz:

    My list of ingredients for success is divided into four basic groups: Inward, Outward, Upward and Onward.

    junho 24th, 2011
  7. Angella Prevo Diz:

    Do you have a spam issue on this blog; I also am a blogger, and I was wondering your situation; we have created some nice practices and we are looking to swap solutions with other folks, why not shoot me an e-mail if interested.

    junho 24th, 2011
  8. how to get Golf shop Diz:

    Thanks for an concept, you sparked at thought from a angle I hadn’t given thoguht to yet. Now lets see if I can do something with it.

    junho 24th, 2011
  9. online payday loans Diz:

    Excellent read, I merely passed this onto a colleague who has been doing little research on that. And that he actually bought me lunch because I discovered it for him smile So ok , i’ll rephrase that: Many thanks for lunch!

    junho 25th, 2011
  10. best android tablets Diz:

    Most of what you state is supprisingly appropriate and it makes me wonder the reason why I had not looked at this with this light before. Your article truly did turn the light on for me as far as this particular subject matter goes. Nonetheless at this time there is one issue I am not necessarily too cozy with and whilst I make an effort to reconcile that with the core idea of your position, permit me observe exactly what all the rest of your readers have to point out.Well done.

    junho 26th, 2011
  11. Irvin Robertson Diz:

    this is a very popular opinion seemingly.. thanks for sharing.

    junho 26th, 2011
  12. pay day loans Diz:

    I had been questioning occasion you ever considered altering design from the website? Its really correctly created; I adore what youve obtained to state. But possibly it is possible to small much more in the form of content so males could connect with it greater. Youve obtained an awful total large amount of text for less than obtaining a single or two images. Maybe you’ll have the capacity to area against each other greater?

    junho 27th, 2011
  13. Robbie Earvin Diz:

    thanks to the author for taking his clock time on this one.

    junho 28th, 2011
  14. Dell M6500 Diz:

    This page appears to get a good ammount of visitors. How do you advertise it? It offers a nice individual twist on things. I guess having something authentic or substantial to talk about is the most important thing.

    junho 28th, 2011
  15. google tablet Diz:

    I am curious to find out what blog platform you happen to be using? I’m experiencing some small security issues with my latest blog and I would like to find something more secure. Do you have any solutions?

    junho 28th, 2011
  16. Delmar Panah Diz:

    I like this website very much, Its a really nice spot to read and find information.

    junho 29th, 2011
  17. Stormy Magat Diz:

    I am glad to be one of many visitors on this great site (:, thanks for posting .

    junho 29th, 2011
  18. air purifier rating Diz:

    You can do anything you wish to do, have anything you wish to have, be anything you wish to be.

    junho 30th, 2011
  19. Roland Regehr Diz:

    Extermely useful post here. Thanks for sharing your wisdom with me. I’ll certainly be back.

    julho 1st, 2011
  20. Bertram Vampa Diz:

    I love your writing style really enjoying this site.

    julho 2nd, 2011
  21. Read more needak rebounder Diz:

    Hey – nice blog, just trying around some blogs, appears a fairly good platform You Are using. I’m currently utilizing Drupal for just a few of my websites however trying to change one in all them over to a platform very a lot the same to yours as a trial run. Anything in particular you would advocate about it?

    julho 3rd, 2011
  22. advance payday loans online Diz:

    I will be really thankful for the author in this post for producing this lovely and informative article live here for us. We really appreciate ur effort. Continue the favorable work. . . .

    julho 3rd, 2011
  23. Know more tact switches Diz:

    Really like your websites particulars! Undoubtedly a wonderful provide of information that’s extraordinarily helpful. Stick with it to hold publishing and i’m gonna proceed reading by way of! Cheers.

    julho 4th, 2011
  24. Berry Skeffington Diz:

    Interesting post! Thanks!

    julho 5th, 2011
  25. Gerald Loschiavo Diz:

    I think other website proprietors should take this internet site as an example , very clean and fantastic user genial layout.

    julho 6th, 2011
  26. Joye Hulin Diz:

    I believe this web site holds some very good info for everyone : D.

    dezembro 2nd, 2011
  27. Al Derck Diz:

    I genuinely treasure your work , Great post.

    janeiro 22nd, 2012
  28. Leeann Sago Diz:

    Hey, how are you? I think that this here article is very awesome. That info contained in this article has created inspiration within me to the point where I’m rethinking certain things. I appreciate this. I intend to keep viewing your site as time continues. Please keep providing articles to your website. Your viewers are waiting for the newest writing.

    janeiro 31st, 2012
  29. mobile website design Diz:

    Your website has been saved to my bookmarks and I have also sent out an email to my friends – look forward to more posts in the future!

    fevereiro 10th, 2012
  30. Ivory Ledsome Diz:

    I like this web blog very much so much good info .

    fevereiro 14th, 2012
  31. Harland Diefenbach Diz:

    I conceive this internet site has got very excellent written subject matter content .

    fevereiro 22nd, 2012
  32. Leila Shadfar Diz:

    Lovely just what I was searching for.

    fevereiro 23rd, 2012
  33. Abraham Roell Diz:

    I saw a lot of website but I believe this one holds something special in it in it

    março 3rd, 2012
  34. Dominick Sigg Diz:

    I like this web site so much, saved to fav.

    março 8th, 2012
  35. Bo Draper Diz:

    this web site is my inspiration , very great design and perfect articles .

    março 9th, 2012
  36. Chance Sanburg Diz:

    I favor what you fellas tend to be up way too. Such smart work and credit reporting! Keep up the wonderful functions fellas My spouse and i?ng included all of you for you to my own blogroll. I think it will increase the price of our web site

    abril 21st, 2012
  37. quick payday lenders Diz:

    Good post – thanks :)

    maio 25th, 2012
  38. free pro xy Diz:

    Great publish. Thanks.

    junho 14th, 2012

Comentar